Távola De Estrelas: Agosto 2010

Távola De Estrelas

Poesia Do Céu Da Boca

* Sempre DS*SD erpmeS *

Távola De Estrelas, Poesia Do Céu Da Boca, Para Mastigar Devagarinho, Deve Ser Servida À Noite E Acompanhada Dum Bom Vinho Tinto...

A CULPA É DO MEU EU LÍRICO.

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, agosto 30, 2010 0 Carinhos de Luxo



Estes versos tão tristes que brotam de mim,
Vem de um outro que habita, sem permissão,
A casa dos meus pensamentos e meu coração,
Ah, esta consternação dele parece não ter fim.

Está sempre a roubar flores no meu jardim.
Não sei dos seus valores, nem se é cristão,
Mas sei que um dia cansou-se de ser arlequim.
Meu eu lírico resolveu a todas dores dar vazão.

Com ele não há controvérsia, não faço confusão.
Deixo esvair de algum lugar na alma; de mim...
Tudo o que no peito não perdoa e nem é são,
Não vivo na eterna chuva e nem só de festim.


AVES DE RAPINA

Postado: Daniele Dallavecchia On quinta-feira, agosto 26, 2010 0 Carinhos de Luxo
























































Dizer que sou triste é infame a verdade, 
tão pouco sou a imagem do contentamento. 
Revolta-me, por vezes, esta sociedade, 
que me causa n'alma tanto estranhamento. 

 Quantos valores desviados por vil vaidade, 
num mundo acabrunhado em seu tormento. 
E os príncipes que reinam com maldade 
Entre os frágeis de espírito e pensamento. 

 Sim, esta crueldade crescente rouba-me a paz 
e sonho com outrora, onde ainda não se via 
a crueldade atacar sem dó a cada esquina. 

 Não sou triste nem tão pouco sou capaz 
de cegar-me em devaneios seguindo à revelia. 
Somos vítimas perfeitas das aves de rapina.


QUERO SER VAZIA!

Postado: Daniele Dallavecchia On quinta-feira, agosto 26, 2010 0 Carinhos de Luxo






Ah, que saudades de um tempo, onde os sonhos,
eram metas de vida para um dia se alcançar...
Pedaço do céu, nem tão perto ou longe de chegar,
onde o que se perdia, não levava ao abandono

Hoje os sonhos já não têm o mesmo sabor,
são obrigações e exigências de um mundo
capitalista e competitivo em todo seu primor,
onde ter é mais relevante do que ser: eis o fundo!

Hoje, um só objetivo, busco alcançar:
- Quero ser vazia! ...
Vazia de desejos, vazia de vontades,
Vazia de ciúmes, vazia de fome,
vazia de auto-piedade, Vazia de vaidade,
vazia de ambição ou de maldades...

Quero afastar-me de tudo que me traz opressão,
quero paz, luz... Quero encontrar sossego,
Distanciar-me do antigo eu, esvaziar o coração,
E, estando "desindividualizada", perder o medo.

E finalmente deixar o milagre da vida acontecer,
tornar-me parte de um outro estado- da natureza!
De Deus, do universo, una com o Todo e ser
plena em essência, em vida, em forma e em beleza.

Daniele Dallavecchia


SONETO À MINHA IRMÃ

Postado: Daniele Dallavecchia On quinta-feira, agosto 26, 2010 0 Carinhos de Luxo

























Com seu jeito de menina esconde
A mulher selvagem nela contida.
É bela e simples.
E sei, que onde esta flor estiver,
será a mais colorida.
 Menina-mulher, com amor componde,
os versos mais belos para sua vida.
Com minha irmã posso contar e, para onde eu for,
ela sempre será minha querida.
 Desejo a minha irmã um universo...
Repleto de amor e amizades verdadeiras.
Que seus sonhos mais secretos se realizem.
 À minha irmã querida com quem converso,
Danço e me divirto com tantas brincadeiras,
Desejo alegrias que em sua vida se eternizem.


DIONÍSIO

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, agosto 25, 2010 0 Carinhos de Luxo







S úbito raio que me atingiu
O corpo inetiro e lançou-me,
Mar adentro de um novo e vasto
Mundo repleto de cores, canções, palarvas...
E de todas as emoções que brotam da
Respiração dos teus versos rasgados,
Versos pincelados pelo deus do êxtase e do entusiasmo.
Invadem e consomem tudo o que sou, pois neles me vejo.
Lendo-me os pensamentos e adivinhando minha alma,
Libertando meu coração solitário da masmorra.
Eis que achei o homem que estava com a chave.


Acróstico 2



S entimento puro
O rnamentado pelas asas dos anjos do amor, bentos!
M istério sacro, orquestrado por beijos no ar,
M il e uma formas de amar, inalcançavel aos olhos humanos
E ncontro de dois corações num só pulsar,
R aiar de sóis e luares do sangue único que corre nas
V eias, sustentando o sentimento secreto, transcendental!
I ndivisíveis, inseparáveis, insuperáveis, amor!
L aços eternos embalando a canção desta união,
L ado a lado na vida, mesmo longe, sabem o par:
E nquanto houver vida, juntos seguirão!





MEU AMOR POR VOCÊ

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, agosto 25, 2010 0 Carinhos de Luxo

























Meus amigos não compreendem de onde vem
Este amor que trago cravejado em meu peito,
Untado pelo óleo sagrado dos nossos sentimentos.

A alegria que me me fazes sentir, tem-me feito suportar
Meus dramas pessoais e as torturas deste mundo cruel.
Onde teu amor me alcançar, sempre estarei em paz.
Raios, tempestades e tufões, nada há de nos abalar.

Por mais que as provações nos testem dia-a-dia,
O amor verdadeiro nascido em meu peito conserva
Raro cálice da paixão cultivado em divina abadia.

Viveremos mil anos na infinitude desta emoção,
Ornamentada com flores raras e encantadas.
Caiam torres, cidades, astros e toda nação.
Eternamente viveremos como almas enlaçadas.


AO MEU AMOR...

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, agosto 25, 2010 0 Carinhos de Luxo

Que triste e bela é a nossa história de amor, Tão nova, tão inexplicável e tão impossível... Pedir para amar-te com todo o meu calor, é como amar a um deus inacessível... Sou o desejo que transborda pelos teus poros e envolve teu corpo sereno com meu perfume... Mas se para a divina Vênus um beijo teu imploro, Juno não permite nosso encontro por ciúme. Te quero, te espero e te vejo como você é, cuore. Não preciso de perdão, explicação nem promessas, Sou um coração que pulsa incessante, mas nunca chora. Não tenho esperanças, nem sonhos, nem pressa. Tudo o que posso te dar é amor... Amor por amor... Não sei se és fogo ou água, se és bruto ou suave, Sei da chama que me deixa em brasa, puro torpor! Pouco importam os dilemas, sou tua pequena nave. Voa em mim, nada somos! Enlacemo-nos simplesmente. A distância afasta dois corpos, nunca duas almas, Quero tuas alegrias e tuas tristezas, quero teus sentimentos, E sentir no meu corpo teus sentidos e ser aquela com quem te acalmas. DLD 09/08/2010


Par de letras feliz!

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, agosto 25, 2010 0 Carinhos de Luxo


Meu coração é novo, um novo coração... 
Um pulsante, desenfreado e doido sentimento,
cresce por você, sem precisar de permissão. 
Sim, deixo tudo, só você tem meu consentimento. 
  Descobri que teu nome combina com o meu, 
nossos nomes se adoram misturar, emaranhar... 
Meu tudo! Por causa de você, a tristeza me esqueceu. 
To louca! Só quero te beijar, te tocar, te amar! 
  Não me importa o que pensam de mim os outros, 
estou apaixonada, quero ouvir só o que você me diz. 
És tão intenso e eu conhecia do amor tão pouco. 
Ah, meu bem, somos um par de letras bem feliz!


AMOR EM TEMPOS DE MALDADE

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, agosto 25, 2010 0 Carinhos de Luxo


Quando em Verona o célebre casal se amou,
Espadas alheias ao encanto e a felicidade
Na mão do mal-aventurado se empunhou,
Pois que se viu arranhado em sua vaidade.

  Da chama eterna viveu a paixão que se lançou
Por mar, por terra e pelo céu de toda a cidade,
Sem nada a temer. Assim o amor se firmou.
E no peito rancoroso do outro crescia a maldade.

  A jovem donzela compreendendo ter perdido
Na flor da juventude, o bem amado de toda vida
Tomou de seu punhal e em seu peito o cravou.

  Eis que séculos mais tarde inda vejo atrito;
Os tempos mudaram, mas aqui ele é só uma ferida
Que cheira mal porque ainda não cicatrizou.


O Rosto De Deus

Postado: Luíz Sommerville Junior On quarta-feira, agosto 18, 2010 0 Carinhos de Luxo

Deus nasceu agora
neste instante em que eu poderia morrer
nos olhos teus
porque nesta hora
em que me é permitido viver
eu sei a essência , a cor
e a forma do divino
que me sopra no vento
através da canção
- é Deus cantando ! -
que vê a melodia do teu rosto
que sente a poesia do teu corpo
que escuta o bailado da tua alma
pela primeira vez !
Sim , Deus desceu devagarinho
por uma escada envernizada d´estrelas
e soprou junto do travesseiro
onde a minha cabeça repousa ...
e ...
Ao virar-me , incrédulo ,
eis o teu rosto
pela primeira vez ! ...




Luiz Sommerville Junior , In Luso Poemas 180820101846