Távola De Estrelas: Abril 2011

Távola De Estrelas

Poesia Do Céu Da Boca

* Sempre DS*SD erpmeS *

Távola De Estrelas, Poesia Do Céu Da Boca, Para Mastigar Devagarinho, Deve Ser Servida À Noite E Acompanhada Dum Bom Vinho Tinto...

Meu Momento...

Postado: Daniele Dallavecchia On sábado, abril 30, 2011 8 Carinhos de Luxo


O tempo consome as horas dentro de mim,
e eu estou passando tão rápido pela vida
e por que nada acontece? Por que o sim
vem sempre acompanhado de pouca saída?

Tenho andado tão triste nesta nova estação
e nada há que me console esta distância
do teu corpo tão desejado, ó minha paixão!
Onde fica o vôo que me leva à nova infância?

Relógio fora do tempo... Corre, corre!
Me joga nos braços do meu sonho a tempo,
me tira desta angústia que sufoca o peito

Me faz florescer, me dá vida, me socorre!
chega de andar, ó tempo sem lei, tão lento...
me deixa sonhar e acordar no beijo perfeito...


Flor sem destino (no alto mar do teu mau tempo)

Postado: Daniele Dallavecchia On sábado, abril 30, 2011 0 Carinhos de Luxo


Cai o sol no mar da tua ausência,
levando embora meus sonhos...
Solidão é flor de inocência,
para quem ainda acredita em anjos...

Mas se o teu veleiro desembarcasse
no cais solitário do meu coração,
e finalmente em mim você se ancorasse...
Acreditaria na força de toda oração...

Daniele Dallavecchia, 30042011 in Só Para os Irremediavelmente Tristes


Teus Versos e Eu...

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, abril 27, 2011 5 Carinhos de Luxo


Dos teus dedos 
nascem os versos 
que me saciam o desejo,
percorrem todo meu corpo
tuas palavras de sedução,
fazendo brotar
no meu íntimo,
a mais terna 
e louca paixão...
Me deixo levar pelas letras
que sussurram amor 
ao meu ouvido,
e já não me domino,
sou tua, meu menino,
não me escondo, 
e não mais duvido,
dessa dimensão 
que é a tua poesia
na minha vida...
Meu poeta,
tua arte me traz 
toda essa magia!


Origem do Nosso Amor

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, abril 26, 2011 0 Carinhos de Luxo



De letras soltas que se agruparam num poema,
uma explosão de sensações "big-bangueou-me"
transportando versos de amor pelo floema
das flores que despertaram e nasceram em mim...














































Hoje

Postado: Daniele Dallavecchia On sexta-feira, abril 22, 2011 6 Carinhos de Luxo

Hoje não estou para rimas nem poemas,
acordei com vontade de sorrir e sonhar,
não me venham falar da vida e seus dilemas,
quero abstrair, minha alma das dores sarar.

Não, definitivamente não quero discutir
sobre possível e impossível, quero é ver
tudo o que ao meu redor já é milagre, e ir
agradecer, de joelhos, ao Criador por ser

incrivelmente maravilhoso em luz, som e cor,
e por estar em todos os lugares onde vou,
por sempre me carregar no colo quando a dor
consegue ser maior do que tudo aquilo que sou...

E mesmo pecando e agindo como eterna 
criança, sei que me sabes o teor do coração,
e mesmo tendo todos para cuidar nesta terra,
nunca deixas de ouvir com amor minha oração...

Não, hoje não quero saber da poesia em si,
quero publicamente declarar minha adoração
e tudo o que Contigo, meu divino pai, vivi,
Obrigada! Tu és o sonho da minha visão!




Sou minha cruz...

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, abril 21, 2011 0 Carinhos de Luxo




Essa lágrima presa
atravessa a alma e rasga a carne...
Me sinto só
e o mundo é tão grande,
neste momento...
Me sinto tão estranha,
afogada nestes sentimentos,
por que tem que ser assim?
Não sei se extravaso o que me incomoda,
e te incomodo com minhas queixas,
ou se apenas as guardo
com a esperança de que um dia
você finalmente veja,
através de mim...
E se eu tivesse os teus atos?
E se eu fizesse o que você faz?
Você estaria agora em paz?
Sim, estou perdida no tempo-espaço,
quero o que não existe...
ou sigo rente,
e quem sabe aprendo
a ser mais resistente...
São tantos ais,
ó alma sensível,
irremediavelmente romântica,
sonha este jardim de fidelidade,
mas nunca o encontrará, ah, ilusão,
afasta-te de mim...


Daniele Dallavecchia


Tudo Diferente

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, abril 19, 2011 3 Carinhos de Luxo


O Mundo anda tão mal das pernas
que eu temo por nós, mas não tema
o meu medo, porque é sinônimo
de muito amor, e por ser demasiado,
também o é este meu secreto temor...
Mas saiba que apesar da fraqueza,
que vez por outra me abala os cílios,
encharcando o corpo de água-sal,
há um misto da mais pura certeza,
quando cada célula lembra, tempos idos,
no fundo d'alma nunca viu nada igual...
Meu menino, que se acabe o mundo,
pois tudo o que sinto neste meu coração,
my sweet love, nem por um segundo,
poderá vir a sofrer qualquer alteração,
meu sentimento é mais que profundo,
e não sei viver sem essa nossa paixão.






Só penso em você

Postado: Daniele Dallavecchia On sexta-feira, abril 15, 2011 8 Carinhos de Luxo



Por toda a vida busquei encontrar
alguém que pudesse compreender
meu jeito sensível e fechado de ser,
você chegou sem nada questionar

Vislumbrou-me como se eu fosse mar
que um dia teus olhos quiseram ver,
mergulhou em mim e quis se perder
no meu estranho modo de me doar...

São os teus carinhos todo o meu ar,
e sem o teu amor já não posso viver,
e se sou exagerada neste meu querer
culpa tua que me viciou em te amar.


Destino

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, abril 12, 2011 11 Carinhos de Luxo


Se fossem flores
as lágrimas que me pendem nos cílios
imagina , meu amor ,
os jardins que sorririam nos teus olhos
se fossem poemas
as gotas que escorrem como rios na minha derme
imagina , meu amor ,
os livros que tuas queridas mãos receberiam
se fossem pássaros
as construções que me revolvem a mente
imagina , meu amor ,
os mundos onde os teus pés seriam (per)seguidos
se fossem músicas
os bafos sufocados que me (não) saem
imagina , meu amor ,
os instrumentos que te ensaiariam
se fossem peixes
as veias que me transportam o sangue
imagina , meu amor ,
os rios e oceanos que te vestiriam
se fossem joaninhas
os estremeceres deste meu corpo
imagina , meu amor ,
as plantas de boa colheita que te agraciariam
se fossem céus
os sorrisos que no meu rosto se revelam
imagina , meu amor ,
a eternidade que te (a)guardaria...

Mas ...

Estes se´s anulam o tanto que tu possas imaginar
condiconam(me) , aprisionando(nos) ...

Se eu puder libertar o condicional
e erguer o absoluto
então
incondicionalmente
meu amor , imagina ,
as horas soprando no relógio :
- acelerai ponteiros , acelerai !
e estancai , agora , exactamente,
neste preciso e precioso segundo
em que eu de parado
traço todos os caminhos que (me) conduzem
ao destino que escolhi e faço
aqui , onde nascem
os anjos que respiram a sagração do amor ...


Luiz Sommerville Junior, Nov 2010





____________________________________________________________________________

Comentários do Luso Poemas


Poemas e Frases - Destinodanieledallavecchia
Publicado: 24/09/2014 06:20  Actualizado: 24/09/2014 06:22
Da casa!

Usuário desde: 21/08/2011
Localidade: Rio de Janeiro - BR
Mensagens: 401
 Re: Destino
Lembro-me desse dia
ó quanta agonia!
pela briga que se seguia
e naquela discussão fria,
tua pena ilustre ardia
talhando na folha, a poesia
que com tamanha maestria,
argumentos meus derrubaria
na delicadeza do que eu leria
quando ao raiar do dia
em lágrimas me desfazia
um golpe de mestre, eu via
ganhando minha alma com magia
e aos pulos vi em mim tal alegria
quando descobri que o poeta sentia
tanto quanto em meu peito havia
daquele amor que se explodia
nele também se expandia.


te amo, príncipe encantado, eterno namorado!
Status: Active
ResponderPoemas e Frases - DestinoAmora
Publicado: 23/09/2014 18:53  Actualizado: 23/09/2014 18:53
Colaborador

Usuário desde: 08/02/2008
Localidade: Brasil
Mensagens: 4419
 Re: Destino
Sem palavras, sem palavras!
Status: Active
ResponderPoemas e Frases - DestinoManoelDeAlmeida
Publicado: 23/09/2014 12:06  Actualizado: 23/09/2014 12:06
Colaborador

Usuário desde: 30/05/2011
Localidade: Campo Grande/MS - Brasil
Mensagens: 673
 Re: Destino
Poeta, você tem seu estilo próprio de escrever e ele consiste no inusitado da abordagem do tema; na estrutura formal feita ao seu gosto, às suas "necessidades" de expressão dos sentimentos que embalam o eu lírico. Prova disso temos neste poema: o inusitado dessas belas metáforas hipotéticas /se fossem flores/ /as lágrimas que me pendem dos cílios/...e assim vai, usando a conjunção condicional "se"... de repente muda a estrutura formal e surge a adversativa "mas"...então surge o desejo de libertar do condicional e viver o absoluto, mas esse absoluto é apenas um pedido para imaginar... Lindo seu poema. Abraço.
Status: Active


Fonte: http://www.luso-poemas.net/modules/mycomments/#ixzz3EOPyl6fJ


Canzone Per Te

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, abril 11, 2011 4 Carinhos de Luxo


Meu Dionísio

Postado: Daniele Dallavecchia On domingo, abril 10, 2011 0 Carinhos de Luxo





O Que Sou?

Postado: Luíz Sommerville Junior On sexta-feira, abril 08, 2011 0 Carinhos de Luxo



Tenho versos tristes, sem motivo aparente,
embora a vida me conceda belas cores,
não entendo de onde me nascem dores
sem fim... Nada me justifica nem me prende

Além daquilo que me dá vida, surpreende!
Meu vinho não é suave, ausente de sabores
comuns. Nunca me quedei a grandes amores,
sou ostra de mim, aprecio o que é diferente...

Não quero com isso dizer que não sei amar,
mas o oposto do que me sabem, é o que sou,
meu coração somente a um quis se abrir...

Há uma força que embala tudo, como o mar,
em ondas de mim, que vem e vão, assim me dou,
personagem dum livro não lido, querendo existir...



Daniele Dallavecchia


Quando você não está...

Postado: Daniele Dallavecchia On sexta-feira, abril 08, 2011 8 Carinhos de Luxo



Mal amanhece o dia,
e a tua ausência já me torna nostalgia...
estou distante do desejo 
que tanto queria:
despertar com a manhã que te alumia...
Ando pelas ruas,
tropeço neste desespero,
debruço-me na janela
do eu-te-espero,
e me deixo...
abandonado neste lençol, 
do muito te quero,
esbarrando com a má vontade
dos ponteiros...
prisioneiro desta saudade,
neste desdenhar dos relojoeiros...
E tudo perde o sentido,
e tudo me ganha de tão perdido!
porque sem você, meu amor,
nada possui a graça de ser,
seja lá o que for,
porque sem você , 
meu fio-condutor
todo o meu ser é dor
de não poder , em ti , 
alojar o morador
que te sou...
tudo me parece sem cor...
tudo pára, aqui e mais além,
e me deixo morrer,
crucificado no vazio
de vinte quatro horas
sem você...








Dueto: Dallavecchia & Sommerville


Talvez...

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, abril 06, 2011 1 Carinhos de Luxo



Talvez eu seja simples demais,
fácil de se decifrar,
um ciclo que se repete,
como palavras soltas pelo ar,
todas iguais...
Talvez tudo em que eu creia,
seja irreal,
mais um grão na areia,
tão banal...
Hoje os pensamentos
vieram para me desmoronar,
e os tais sentimentos,
tendem a desbotar...


Tua Partida

Postado: Luíz Sommerville Junior On domingo, abril 03, 2011 1 Carinhos de Luxo


Queria meus dias mais calmos,
E meu alvorecer como salmos
Que a alma perturbada acalma
Mesmo quando tudo se acaba...

Queria meu sorriso mais alegre
Mas isto já não me compete...
São lembranças tristes que trago
No peito há muito  lacrado.

Queria mais lágrimas para chorar
Toda a dor que preciso desafogar,
Impossível suportar tua partida
Tendo um coração e uma vida...

Choro no teu túmulo meu luto
E toda amargura que desfruto
Nada deixastes, nem um fruto
Só um vazio imenso e tumulto.

Ah, sou mesmo triste como o canto
De dor dos devotos para seu santo
Como a estação de trem e a despedida
Levando para longe a paixão perdida.

E que importa aos outros o que sou?
Fui eu, quem ele, para sempre deixou.
Sou o destino que se desencontrou.
Sou a que no mundo sozinha ficou.


Daniele Dallavecchia   20/11/2008


Sempre Você

Postado: Daniele Dallavecchia On domingo, abril 03, 2011 10 Carinhos de Luxo



E meus olhos choram 
não mais de saudade,
mas com a emoção
desta visão triunfal 
da tua presença...
Ó, amado, 
para toda vida,
não há um único dia,
ou uma noite sequer,
em que meus passos
não queiram seguir os teus,
e talvez já não exista um eu
que possa distinguir-se 
do que és,
porque meus sonhos começam 
com o despertar dos teus olhos,
e adormecem 
com o cansaço do teu corpo,
e nada mais sou, 
nada mais quero ser,
se onde eu for
não houver você.


O Tempo Dirá

Postado: Luíz Sommerville Junior On sábado, abril 02, 2011 0 Carinhos de Luxo

Talvez o tempo me ensine
a fechar o coração,
talvez não...
Talvez a vida me mostre
com quantas decepções
se faz uma história,
estrada enfeitada
dos meus sonhos desfeitos,
Talvez você seja só a ilusão
que o vento dissipará pelo ar,
ou talvez você seja o amor
que eu não soube conquistar...

O tempo...
o tempo me dirá...

Até lá,
deixa-me guardada
no baú dos meus sonhos,
vivendo o outro lado
do nosso desencontro...


Daniele Dallavecchia


Além mar do meu coração

Postado: Luíz Sommerville Junior On sábado, abril 02, 2011 0 Carinhos de Luxo

Noite fria de solidão,
num poema triste de mim,
versos que não encontram razão,
nesta lógica do meu fim...
Tudo é tão mórbido e desalentador,
cinza desbotando o arco-íris do meu céu,
a vida nada mais é, meu amor,
se meus sonhos estão perdidos, ao léu...
Ventania que me leva para longe,
dos encantos da infância,
e viva eu cá, nas súplicas dum Deus que não responde,
morrer na dor desta distância...


Daniele Dallavecchia