Távola De Estrelas: 2013

Távola De Estrelas

Poesia Do Céu Da Boca

* Sempre DS*SD erpmeS *

Távola De Estrelas, Poesia Do Céu Da Boca, Para Mastigar Devagarinho, Deve Ser Servida À Noite E Acompanhada Dum Bom Vinho Tinto...

V - A Consoante Do Teu Verso *

Postado: Luíz Sommerville Junior On sábado, dezembro 28, 2013 1 Carinhos de Luxo





Meu amor ,
o teu vau d´estrelas
é carne de luz
que o sol insere no teu corpo
acendendo nas minhas veias
uma chuva de cometas
então ...
a respiração inquieta
estreita a nossa alma
num laço. - pulsante !
entretanto
a transpiração brilha no silêncio ...



Luíz Sommerville Junior , Eu Canto O Poema Mudo , 281220131714


À Dani com Amor

Teu , Jo


* Letra v ou vau


Ceia Cósmica

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, dezembro 26, 2013 0 Carinhos de Luxo



Na mesa ...

o linho do firmamento

nas taças 

o vinho da Lua

E nos pratos

o alimento das estrelas


- Eis a nossa Ceia !









(Re-editado)


Luíz Sommerville Junior , Natal de 2008



Festas Felizes
Ano Bom 2014


Dois Homens e Três Mulheres

Postado: Luíz Sommerville Junior On sábado, dezembro 21, 2013 0 Carinhos de Luxo



Jesus:



Hoje

as páginas do teu livro

que são espadas esventrando a palavra , sagrada !

adaga de Herodes espetada na tiara diamantina

que meu Pai te ergueu de mão aberta , ó irmão !

que me condenas , que mal te fiz que de ti

tanto te quis , tanto te quero , não escutas , o povo !

que não é interrogação , é  clamor , ó tenor , condenação !

não me atires aos olhos  Barrabás , ceguei !

que cega é a voz que são vozes , que te esperam !

vá , não hesites , imploro-te , o golpe final , misericórdia !

não os ouves exigindo do teu coração ?

implorando-te o meu na tua mão ? 


(“Está consumado.”)


Pilatos:



Porque exiges de mim o que não quero dar-te ?

Porque no minuto deste dia

me pedes a noite dos dias do fim ?

e de ti, apenas peço uma palavra

que é sim , sim eu sou , que és tu !

dá-me querido , dá-me ó ser amado , a tua , voz !

num grito , numa canção , num murmúrio, num soluço , salvação !

ah ! esse teu silêncio que me mata ao invés do poder , que é meu !

és tu de judeu, o rei ?

ai que boca condenada pelos carrus d´ atropelo , a minha !

que da tua ainda nada ouvi que não seja humilde , condição !

se fosses a minha mulher coroava-te ao centro , império !

ó sangue da minha cor , amor !

mas não vês que não o posso fazer ?

sim , uma palavra , apenas uma palavra e tudo te darei , liberdade !

ah , querido irmão , finalmente reconheceste-te , rei ? !

olha bem para mim , vê como eu sou o que chegou para te levar

sem mim o que serias tu,quem serias afinal que és , aos meus pés ?

está certo, serenemos as multidões , descansemos os corações ...

coloquemos um fim a tão triste e sangrenta hora , agora !

Sim, podeis, levá-lo !

Sim, podeis levá-lo...

("lavo as minhas mãos...")


Sim, podeis levar-me ...

Maria:


... que a minha vida ,  morreu ! morreu...

Prócula:



... que o sonho meu , morreu ! morreu ...


Madalena:


... que o sonho que é vida floresce

ao inverso do corpo que desfalece ! desfalece ...





Luiz Sommerville , 191220101629 - (c) Távola De Estrelas 

Desejamos a todos amigos, leitores e quem é por Bem um Natal Muito Feliz.


Festa da Independência do Brasil - 7 Setembro 2013

Postado: Luíz Sommerville Junior On sábado, novembro 02, 2013 0 Carinhos de Luxo

No dia 7 de Setembro de 2013, na Praça da Ribeira, no Porto, a Associação Mais Brasil em parceria com a Associação Cultural Batucada Radical organizaram o evento Festa da Independência do Brasil.


Gabinete

Postado: Luíz Sommerville Junior On segunda-feira, outubro 28, 2013 1 Carinhos de Luxo

O gabinete
a porta
o fecho
o trinco
a chave
o espaço do passo controlado
os olhos
a luz
o dia
a claridade
o passo do espaço ilimitado
o gabinete
os lábios
a língua
a boca
a voz
o espaço do grito sufocado

Latejante
a palavra emerge
na alma conturbada
no traço
sem hora marcada
uma porta fechada
- porta
- fecho
- trinco
- chave
o silêncio no espaço...



Luíz Sommerville Junior, poesias, Janeiro de 1983

* Foto de Luíz Sommerville Junior


Postado: Daniele Dallavecchia On domingo, outubro 20, 2013 1 Carinhos de Luxo



Sou
não sou
ainda não sei de fato
talvez ainda seja
talvez só sonhe que sou
talvez volte a ser
ou este seja só um forte querer:
conseguir voltar a ser
a fortaleza
que um dia
te fez nunca me esquecer...


Pesar

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, outubro 15, 2013 0 Carinhos de Luxo

Um peso atmosferico,
o ar que não encontro
salamandras habitando
meus pulmões - respiro fundo
e me afundo num consumo desolante,
Inspiro, inspiro e não tenho inspiração
aperto o nó da dor, solto o volante
me deixo guir por um instante
afinal, não posso tudo...
e talvez pense que já não posso nada;
apenas uma paisagem
para descansar a vista
dormir e acordar num mundo mais belo
meu mundo particular dos sonhos
eu, você e nossos sonhos


Daniele Dallavecchia, 15102013


Pátria desalmada

Postado: Daniele Dallavecchia On sexta-feira, setembro 27, 2013 1 Carinhos de Luxo



Frente ao verso que me desempara
construo na mente infinitas soluções,
choro à tarde uma angustiante e rara
melancolia, muro das minhas desilusões!
Esta bandeira que ostenta bravuras
dum vermelho sangue carregado pelo verde
esperança de tantos corações
abandonados pelo tempo, pelas loucuras
dos teus nobres e valentes varões.
Ó Portugal que não me escolheu,
Ó Portugal do grande amor meu
Ó Portugal que tão mal me acolheu
Abençoa teus filhos, tua carne e canção
perdoa os sarilhos dos teus governantes
palco vergonhoso, palhaços em apogeu!
Beija a fase do teus tantos amantes,
mesmo os que não são sangue teu
adota com carinho mais um coração
e escreve na minha história
a bravura e o acolhimento materno
que fez fama grande noutrora
Ó Portugal que vive longo inverno,
acorda! Abre teus olhos brilhantes
volta ao que eras antes
faz feliz mais uma vez, de novo!
O teu querido e amado povo!

Daniele Dallavecchia, 26092013



Parabéns , Meu Amor !

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, setembro 19, 2013 2 Carinhos de Luxo


Livro Da Minha Vida

alguns anos atrás
a carne era feita de livros
livros são de papel
com o qual recortavamos corações
e em inserção, profunda tremura da ternura,
inabalável convicção,
palavras em forma d´oração
venceu a fé na mais antiga religião
o amor que os deuses criaram
como motor da vida
saúdo-te, minha querida ,
desenhando beijos na tua pele
avé Daniele !


Parabéns amor


Teu Jo

190920131414


Da Pureza

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, setembro 16, 2013 1 Carinhos de Luxo



És duma pureza tão linear
Que as curvas do meu sorriso
não conseguem acompanhar
a beleza do menino
misturadas ao homem que sofre...
Tudo é um mistério!
Teu rosto e teu olhar,
teu sorriso e tua inocência.
E tudo é tão claro!
minha paixão, meu mar
meu destino, pátria e clemência
E eu, tão tua,
me dou como tua boneca de brincar
sabendo que sempre serás a criança
que ainda acredita...
e é por essas e outras
que aos meus olhos,meu amor,
ainda te chamo: meu Romeo!





Daniele Dallavecchia 14092013


Meu Amor

Postado: Luíz Sommerville Junior On domingo, agosto 25, 2013 0 Carinhos de Luxo


Meu amor
detesto quando banalizam o teu nome
quantas palavras chamam por ti, meu amor?
quanto o meu que é teu te faz sentir amada?
tenho horror à vulgarização do eu que te chamo
como tantos outros pseudo-poetas
que escrevem milhares de versos
iguais a outros tantos milhares de versos
que tantos outros ao longo da história já escreveram!...
E...
nestas duas palavras, meu amor
que ninguém as diz como eu
que ninguém as escuta como tu
há uma expressão tão nossa - tão tua ! -
que por mais comum que seja
por mais que biliões de pessoas
a acertem ou errem
eu não encontro outra mais bela
meu amor



À Dani com amor


Luíz Sommerville Junior, madrugada de 25082013

Imagem Paris Je T´Aime , editada por LSJ


"No Princípio Era O Verbo"

Postado: Luíz Sommerville Junior On sexta-feira, agosto 23, 2013 0 Carinhos de Luxo


Quisera escrever aqui

o dia em que todas as palavras morreram

e não há no universo inteiro

cemitérios que bastem para as enterrar

nem velórios que honrem tão triste desaparecimento

acreditem ou não

a soma de todos os vocábulos é superior a tudo

por tal razão sepultaram a palavra vida

junto à sua lápide coloco uma flor silvestre , dedicada !

e ... espero ... em esperança , a ressurreição

dum novo dicionário ! ...




Luíz Sommerville Junior , 230820130043


A Mão Que Baptiza A Chuva

Postado: Luíz Sommerville Junior On domingo, agosto 11, 2013 1 Carinhos de Luxo

Acordei
com um aguaceiro
ao alto do topo avermelhado , beiral !
finos fios d´água
cabelos cristalinos das nuvens
molham com pão azul, diamante !
o haver visão , quente !
sobre a recta do ângulo , horizonte !
o fogo brando adormecendo na travesseira , do caminho
incendiando o despertar do lado que não deseja acordar
afivelando o ir ao vir , virando o rumo !
puxando ...
o singelo barco para o porto
onde o ondular do quero partir
para chegar e ser maré
corre atrás dum côro de peixes
cardume de vozes , ensaio final !
daqui a pouco, a chuva no baile de debutante
da primeira noite , da primeira virgem
cederá o lugar , ao primeiro nascimento
que será o segundo e o terceiro
todos juntos , unidos
no telhado da primeira palavra ,
estendal duma mão cheia de esperança
e outra mão plena d´alegria
entoando ...
uma trovoada de verbos erguidos

Sim, acordei
com um aguaceiro pincelando gaivotas na âncora

sim , chove para cima !




À Dani




Luiz Sommerville Junior, Set 2010 in Luso Poemas e Távola De Estrelas


És Minha Irmã

Postado: Luíz Sommerville Junior On domingo, agosto 11, 2013 0 Carinhos de Luxo




Amo a alma perfeita por te querer
podes sossegar neste meu me entregar
e nada mais desejar para o meu viver
a não ser a tua mão razão deste idolatrar

Que dos mundos sigo descuidado
livre nesta canção da tua vida
e deles rejeito a maldade, o pecado,
e proclamo a bondade tão desconhecida...

Que importa a guerra ou a hipocrisia do fanatismo?
ou a perigosa tirania do dinheiro?
se possuo a paz, a justiça e a verdade?

Juro, flor desta calma de ribeiro em dia de baptismo
tudo de ti colherei como o mais devoto jardineiro
em prece, aos pés do vestido que é a minha trindade


LSJ, 2608201017:11,  in Luso Poemas e Távola De Estrelas


Dallavechia´s Photo SlideShow

Postado: Luiz Sommerville Junior On quarta-feira, agosto 07, 2013

Fotos, Art Computer, Edição e Criação de Arquivo Flash (c) Dallavecchia´s Photo


Desastre

Postado: Luíz Sommerville Junior On segunda-feira, agosto 05, 2013 1 Carinhos de Luxo


Morreu ontem
quando o relógio caiu ao chão
por culpa duma asa que se libertou do tempo
foi triste de ver
a maquinaria desfeita, peças desorientadas, estateladas
implorando por um minuto certo
naquele espaço sem consequência e sem acerto
quando o tempo se faz desastre
para onde vão os fragmentos da vida?
pedaços de gerações alinhados no guarda-roupas?
anos de tristezas e alegrias aprisionados numa caixinha de jóias?
dias memoráveis encaixotados num baú
e despachados no próximo trem de mercadorias?
ou todas as riquezas da alma vendidas numa qualquer Feira da Ladra?
ontem parou de vez, consequência duma peça defeituosa
soltou-se do pulso no qual marcava a cadência que o orientava ...
todo o tempo carece duma âncora ...


Luíz Sommerville Junior, 030820132343


Montanha que viu (o que todo mundo já viu)

Postado: Daniele Dallavecchia On quinta-feira, agosto 01, 2013 1 Carinhos de Luxo




Na qualidade de copiar
era soberana
no quesito plagiar
era mestranda
Sem elegância, 
sem distinção
lia, tecia, comia
linhas e linhas de versos
mas tudo saia ao inverso
do que sua mente doentia
tanto apetecia
Sem postura ou educação
lia, relia, mexia, remexia
com ou sem razão
nada tinha ela
nada era ela
mas tudo queria ser
que não fosse ela
presente ou passado
não se desprendia...
se corruía,
mal amanhecia o dia
não conseguia
seguir adiante
ser aliciante
parar um instante...
pensar num futuro 
- distante -
não, ela não...
pois não tinha aptidão
para poesia, para a seda, para o suave
não havia naquela pena
tinta nem talento
só uma cabeça de vento
não pensava na dor que causava
tanta deselegância
(Ó maldita petulância)
Apenas nas páginas do nosso pensamento
sentia deveras calma
aliviava a alma...
tão dependente de nós
e eu e ele
já sabíamos que entre nossas letras
a traça
que trapaça
nunca liga se ultrapassa
qualquer limite
ela nunca desiste
contanto que nos imite....

(o elogio dos outros era para ela maior que qualquer ética ou moral,
mas há de se ter perdão, pois ela não sabe o que é educação)

Daniele Dallavecchia





Morreu Dominguinhos

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, julho 24, 2013 0 Carinhos de Luxo



        Nesta terça-feira,  23 de julho de 2013, às 17h50, faleceu um ícone da Música Popular Brasileira José Domingos de Morais, devido a complicações cardíacas, o que gerou uma série de infecções. O músico, travou uma luta durante seis anos contra o cancro, doença que o vitimou. Dominguinhos despediu-se de seu inseparável acordeão e deixou-nos órfãos do seu talento.

      Dominguinhos ficou famoso por sucessos como Eu Só Quero Um Xodó, Isso Aqui Tá Bom Demais, De Volta Pro Aconchego, Asa Branca, entre tantas outras canções que marcaram época. Além de cantor e instrumentista, era famoso por ser um grande sanfoneiro.




        José Domingos de Morais, Garanhuns,12 de fevereiro de 1941- São Paulo, 23 de julho de 2013



Na fotos acima : Dominguinhos em actuação durante as Festas Juninas de Irecê-Ba S. João de 2009
Portfolio de Dallavecchia´s Photo


O Vocábulo Da Terra

Postado: Luíz Sommerville Junior On quarta-feira, julho 17, 2013 2 Carinhos de Luxo


Neste solo em que te escrevo
Todas as palavras se ajoelham



Luíz Sommerville Junior , 170720131707


Sonífero Dia-a-Dia

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, julho 08, 2013 0 Carinhos de Luxo


Acordo cedo e o sono contraria-me
Volto a dormir e o tempo desperta-me
Meia-volta, volta e meia do meu ser
A totalidade na sua metade, de manhã!

Escurece o céu, acendem-se as estrelas
o véu da noite desce, as pálpebras pesam
volta e meia, meia volta e rolo na cama
a metade de mim em toda sua totalidade

Um turbilhão me passeia o cérebro
tanto para se fazer, tanto para escrever
mas o tempo é curto e absurda a vida
totalidade quando o céu não tem estrelas?

E que culpa tenho nisso? Tu as tem mais!
Em 6 dias - O MUNDO! Mas e os poetas?
Não precisam voar longe? Viajar com os cometas?
Perder-se pelo espaço para encontrar seus passos...?

Daniele Dallavecchia 08072013, 13:33



Desejo Impossível

Postado: Luíz Sommerville Junior On terça-feira, julho 02, 2013 2 Carinhos de Luxo


Desejo Impossível

Quisera ser artista
para de ti
lavrar duas obras-primas
uma em louvor às tuas tintas dormindo
outra em dedicatória às tuas cores sonhando
depois pendurá-las numa parede de estrelas
e ficar-me delirando
com o pulsar das tuas telas
no assombro das minhas pupilas



Luíz Sommerville Junior ,  020620130317 ,  à Dani


Suave e Intenso Despertar

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, julho 02, 2013 1 Carinhos de Luxo



Quando eu choro
ninguém vê,
mas tu sentes
o salgado do meu rosto nos teus lábios
e nunca sabes se é de amor, 

saudade ou felicidade,
digo-te, meu grande amor,
que cada gota que tempera sua saliva
é por ainda estar viva 
e poder viver o nosso imenso amor,
porque o tempero da vida
está nesse seu abraçar terno ao dormir,
no teu roçar na madrugada, 
e no teu tesão matinal
que nunca me quer acordar...
Sonho-te nos breves momentos 
da minha mais pura respiração
onde a apnéia não me consome,
onde a inveja alheia não nos come...
e acordo...
Acordo enquanto todos dormem
tateando teu corpo perfeito
e me aproveito do rijo desejo teu
e me entrego, com alegria ou tristeza
me entrego para voar até o espaço sideral
acima de tudo, de qualquer
 problema 
enlouquecida de tesão e de amor...


Tua Dani


O Teu Trono

Postado: Luíz Sommerville Junior On terça-feira, julho 02, 2013 1 Carinhos de Luxo


Quando os meus olhos choram
ninguém vê
- são orações por dentro das águas emocionais -
Quando todo o meu corpo sorri
ninguém vê
- é culto no interior de tudo que é invisível -
porque exprimo nesse silêncio duma só morada
o êxtase da alegria
que é palácio onde reina principesco
o brilho do teu olhar


À Dani com amor , Teu Jo


Luíz Sommerville Junior , A Madrugada Das Flores (Volume II) , 010720130111


Leitores assíduos

Postado: Luíz Sommerville Junior On terça-feira, julho 02, 2013 0 Carinhos de Luxo


50  Visitas únicas , o que equivale a cerca de mais de 400 clicks , ou páginas lidas , é quanto somam estes 3 leitores que na verdade são apenas um (no que concerne ao IP)  em termos de assiduidade ! Um caso raro nos dias que correm ! 
Ao que parece este blog é uma boa fonte de inspiração para quem nunca soube fazer nada a não ser falsificar !


O Teu Trono

Postado: Luíz Sommerville Junior On segunda-feira, julho 01, 2013 1 Carinhos de Luxo


Quando os meus olhos choram
ninguém vê
- são orações por dentro das águas emocionais -
Quando todo o meu corpo sorri
ninguém vê
- é culto no interior de tudo que é invisível -
porque exprimo nesse silêncio duma só morada
o êxtase da alegria
que é palácio onde reina principesco
o brilho do teu olhar


À Dani com amor , Teu Jo


Luíz Sommerville Junior , A Madrugada Das Flores (Volume II) , 010720130111


Cálice do verdadeiro amor

Postado: Daniele Dallavecchia On quinta-feira, junho 20, 2013 3 Carinhos de Luxo


Bebe-se, quase a conta gotas
os momentos de felicidade
que a vida proporciona
gratuitamente,
Come-se rapidamente
a sorte que nos apresenta
como oportunidade única,
vinda quase como loteria,
dum cosmos qualquer,
Mas, meu amor, aprecio
vagarosamente os gestos teus
tão corajosos, tão joviais
tão repletos de vida
Quanta esperança!...
Só desejo aos meus átrios
que um dia vão falhar
tempo suficiente
para bombear pelo meu corpo
a mensagem que carrego comigo:
do homem maravilhoso,
do ser  inigualável,
companheiro e amigo que és,
meu grande amor!
E quando eu morrer
que cada passante saiba:
aqui jaz a esposa
de um grande homem!
De um poeta que soube amar!
E desejo ainda
que na minha retina
fique gravada a tela linda
que soubemos pintar
com todos os tons
entoam a nossa história.


Te amo,

Daniele Dallavecchia, 20062012, 18:35

Tua Dan, hoje, amanhã e sempre!


¨Plágio Em Tempo De Cólera"

Postado: Luíz Sommerville Junior On terça-feira, junho 18, 2013 2 Carinhos de Luxo


"Você não sabe" ,
tal como na canção ,
donde vem e para onde vai
"santa ignorância"
que de diabólica
revela a (sua , de você)face demoníaca
que certos erros (meus)
certos truques (malabarismos)
da escrita
são propositados
e têm o objectivo de conferir
ao sujeito poético
uma marca d´água
reconhecível - indelével -
em qualquer outro rosto-poema
de determinados e identificados pseudo-autores

Sim , eu vos revelo
o supremo dom do falso iluminismo !
do circo
da fera humana que vóis sois
cópia de cópias camuflada
pela mãe "originalidade"
aquela que apenas consegue parir ,  abortos !
porque os filhos ... assim como os progenitores
os filhos ...
os filhos ...
e os pais da origem
esses
honram a mãe substantiva suprema da literatura :
- A Poesia !


Luíz Sommerville Junior , 1806201300041


Aos(às) visitantes / leitores(as) de Montain View e outras localidades (falsas) que lêem e copiam
das mas variadas formas (remisturando , ou deveria ter escrito mixando ?) palavras , frases e ideias de vários textos num só texto e que depois assinam como sendo de vocês , ou seja visitantes que camuflam o IP verdadeiro através dum servidos de proxy :
Saibam que possuímos ferramentas webmaster e outros recursos para detectar os / as demónios que escondem a face para noutros (seus , vossos) ¨universos¨ venderem o rosto do pseudo-anjo que de facto é demónio .



 

Pare o video-player que se encontra na lateral direita deste blog para ver este video


Mea Culpa

Postado: Luíz Sommerville Junior On domingo, junho 09, 2013 1 Carinhos de Luxo





Por vezes
o irreflectido impede
o amor
d´atingir o mais elevado patamar
o bem
e que todo o meu corpo cegue
ao servir-te uma taça de vinho
para que tu possas saboreá-lo
e eu ser feliz
com a tua abençoada sêde


à Dani com amor


Luíz Sommerville Junior , 080620132226


O Sangue Das Flores

Postado: Luíz Sommerville Junior On segunda-feira, maio 20, 2013 2 Carinhos de Luxo




Pergunto-me incessantemente
porque morrem as flores
sobre os corpos quentes
donde brota
em cascatas de perfume inebriante
a essência do leito?...
e ...
não adianta gritar ou calar
- ó extremidades indejadas!-
não adianta falar e escutar
- ó fragilidade do comunicável!-
nada as amparará

murmuram os jardins
em curvatura de finados:

- morrem para ti.
(o que é diferente de
morrem por ti)


LSJ , 120520132138 A Madrugada Das Flores


Das Pétalas do Amor

Postado: Daniele Dallavecchia On sábado, abril 27, 2013 2 Carinhos de Luxo


Oito pétalas eram a flor da juventude
daquele amor nosso infinito,
chorei quando uma pétala caiu
partindo a essência daquela plenitude,
(era manhã por dentro dos meus olhos)
Teus lábios macios e repletos de paz
falaram-me da perfeição das sete pétalas,
cheias, luminosas, resplandescentes
como luz do meio dia, como sorriso de criança
e dormi no sonho bom de poder crer
(era tarde por dentro dos meus olhos)
em cada cor do teu jardim suspenso
de flores feitas de asas de borboletas
que um dia morreram de tanta felicidade
 e acordei, em plena idade,
(era noite por dentro dos meus olhos)
e pude ver, pela primeira vez,
que a mais bela flor que um dia vi
esteve sempre ali, em frente aos meues olhos...

E pude descançar no teu jardim suspenso
com a tua imagem bela
por dentro dos meus olhos...



Daniele Dallavecchia, 27042013,01:58


Ao meu marido Jo, que amo com todas as minhas forças.



O Silêncio

Postado: Luíz Sommerville Junior On terça-feira, abril 02, 2013 2 Carinhos de Luxo

Jaz
a manhã gregoriana na revolta dos genitais
regaço onde o tempo extingue
a origem do tu és,
apesar da resistência em consequência amiga
do “ainda sou” *
ancorada na escuridão que de alucinada
faz renascer a tua voz – sem som ...

Jaz
a tarde sobre a dobra do mar
na linha queimada pelo pôr-do-sol
sem horizonte ...
em loucura furiosa ejacula
a última menstruação d´estrelas
de todas as ausências
que me esvaziam
ave (des)falecida algures noutra morada
agora que a noite é trovoada
a minh´alma ou vida espera-te
em vão ...



Luiz Sommerville Junior , 280320132359

* Leia também Ainda sou do amigo Sampaio Rego


Duas Consoantes e Duas Vogais - A Paixão

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, março 28, 2013 1 Carinhos de Luxo

Saúdo a roda que me movimenta
em demasiados acordes d´ igrejas
de multidões em murmúrios obedientes
com suas túnicas brancas, seus terços
adornando o livro - contra o peito
até onde vai a devoção
desse mar de corações
que caminha com o olhar raiado de vitrais
até aos templos onde os joelhos viajam pelo chão?
seus pensamentos tocando o céu
e seu marchar acariciando o tempo
sobrevivendo a todas as viagens que naufragaram
na curva da História onde a seda de tantos noivados
manchou de vermelho a boda dos povos - sangrando ...
e beijam ... beijam as chagas que salvam os cânticos
porém ...
o altar imponente impôe um silêncio cúmplice
aos crentes que querem ouvir o rumor da nave
mergulhada no bailado do mundo
e mesmo que não tenham casa
e mesmo que não tenham água e pão
sonham ... porque para todos há um lugar no céu ...
cantam ... porque as canções aliviam a dor
e se por um lado, é o Menino que move a fé
por outro lado, é o Homem que a fé move
a razão das bocas que enunciam o credo
Ele, podia ser filho de qualquer um,
Ele, podia ser pai de qualquer filho
o homem, sempre o homem,
como motivo duma guerra de flores
sobe Seu calvário por entre gritos dos que O amam
sobe Seu calvário por entre o chicote dos impérios
até ao ponto onde morrem todos os sorrisos
que a ninguém fazem o favor de esperar
por entre as risadas d´ ironia mal encenada
carregando a cruz
à beira do abismo ...
afirma interrogando o Pai
que no Seu dizer O abandonou
homens , apenas homens a comandar
o destino dum planeta mais pequeno
do que a ambição dos reis que o governam
contudo ...
Maria ...
e
Madalena ...
duas mulheres que simbolizam a razão de ser
de todos os seres humanos
acreditam
que é dos seus ventres que nasce o sol
por ora, agonia do fim,
elas mantêm intacta a esperança
que o Mártir do seu amor sobrevirá às estátuas ...



Luíz Sommerville , 280320130449


Desejamos a todos uma Páscoa muito feliz


O Poeta Dela II

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, março 26, 2013 0 Carinhos de Luxo



A poesia que pulsa em meu peito
é flor nova que exala aroma bom
para encantar tua alma de poeta,
se por vezes, de flor não me ajeito
é que esqueço que poeta sonha
com os olhos abertos a musa nua
mesmo quando a mulher que é sua
implora aos pés um qualquer verso
de amor eterno, ou  grande jura,
mas eu que te amo na poesia
e fora dela, compreendi à dura,
poeta ama, mesmo quando inflama,
mas seu peito chora a palavra escrita
que ele, em tristeza, quer e não grita.
Ainda assim, ouço teu murmurar
neste suspiro ao pé do meu ouvido:
amo-te tanto minha menina, querida
será que sabes o quanto... quanto?
Não, não sei! Como poeta também
nunca saberei até que morramos
de tanto amar o amor que nos contém!




Daniele Dallavecchia,  26032013



Verso em Apatia

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, março 26, 2013 3 Carinhos de Luxo


































Sistematicamente arranho o papel
na insistente cobrança dum verso
que expresse escrita audaz e cruel
a que minha mente exige impresso

Tão veloz quanto um pássaro ágil
fujo ao tema e facilmente disperso
letras belas ou soneto de fama vil
tanto pra inspirar-me neste universo...

Cansa-me o dilema de todo santo dia:
O mundo está louco ou eu com medo?
Deus, ainda não me curaste da apatia?

Antes,como uma pedra, tudo aguentava!
Tragédias,loucuras, maldades, desespero!
Só ilusão! não estava ainda acordada!



Daniele Dallavecchia 25032013



Maio De Olhos Vendados

Postado: Luíz Sommerville Junior On domingo, março 24, 2013 2 Carinhos de Luxo




em todas as madrugadas, companheiros,
há um sol que morre estampado numa nota
sem valor
e para que a luz volte a definir o dia
do que não mais regressará
é necessário que o medo,
também possa vender-se
por uma qualquer moeda
desvalorizada
e a coragem,ou a loucura de combater sem pensar,
se aposse de todos os valores
velhos ou novos
carregados de rugas que sejam o festim dos anos
carregados de recém nascidos que sejam o alvorecer
duma nova casa ....
delírio-sinónimo das estrelas que eu não sei pintar
em todos os crespúsculos
há uma lua sem fundamento
que voa sem rede que a possa amparar
que já devia ter morrido...
em verdade, companheiros,
como pode a lua surgir no céu
quando o sol de vendido
é apenas uma cega recordação?...



Luíz Sommerville Junior, 240320130601


Para onde vai a alma ?

Postado: Luíz Sommerville Junior On sexta-feira, março 22, 2013 2 Carinhos de Luxo


Vi-te ainda há pouco
e eras menina
apesar de todos os teus anos
não sei
porque razão a imagem
congelou
no momento
em que a tua voz soou
e agora que te vejo
com o peso duma indecifrável idade
ele - o caminho
ela - a vida
fundem-se
e sei , percebo neste instante,
que essa fusão
gera o tempo
em que a única coisa que fica
é a imagem congelada
desligada da voz
e por mais que eu olhe
a menina que vi ainda há pouco
tenho medo de olhar...

(para onde vai a alma
quando a luz queima a nascente ?...)


Luíz Sommerville Junior , 220320131221


"Haz esta noche perpetua" pelo amigo ZéSilveiradoBrasil

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, março 21, 2013 1 Carinhos de Luxo

 
"Haz esta noche perpetua" declamado pelo amigo ZéSilveiraDoBrasil

 Pai
quantas bolas rolaram
pelo teu coração
em correrias loucas
quando resguardavas o movimento
dos meus pontapés no ar
com o teu olhar ?
quantos piões falharam
no carrocel daquele céu salgado
que a segurança dos teus braços
abraçava em terno ninar - cantando ?
- sobre a mesa o comboio que partia
no eclipse daquele fantasma que não mais me afligiria -
e , tu , com tua voz de tenor ímpar
oferecias-me o relógio
que até ao último dia - tua hora honrará .
três anos nos meus pequeninos olhos
e o universo todo , no meu pulso a vibrar !
Ó voz que apenas tu sabes entoar:
"Detén el tiempo en tus manos,
haz esta noche perpetua"
e eu ... de nada saber ,
apenas o coração a tremer
- donde te vinha esse sopro que em mim refulgia ? -
os ponteiros imortalizavam-te - registo !
energia onde o teu sustenido não cabia
arrebatador !...

- com que estás a brincar ?
- perguntavas-me -

e eu calado para não te sobressaltar
com o olhar te confessava

- és a voz do meu pulsar .

aprumavas o peito e entoavas mais um pouco
o mundo que me clamavas :

"Vide 'o mare quant'è bello!
Spira tantu sentimento."

Hoje , meu querido pai
o meu braço adornado pelo teu anel
em tic-tac que liberta - ai !
enuncia em vento da tua pele
o passado que no presente é enlaçamento :

- "Torna a surriento" !




Com amor ,

Teu junior

LSJ , ao meu pai , 19 Março de 2011,17:40
Reeditado com mudança de título a 190320131755


Nota : não é apenas por ser dia do pai que posto hoje este singelo texto, possuo outras, pelo menos duas, razões mais fortes que são o motivo fulcral desta dedicatória.

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=243979#ixzz2O801OnBo
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives



Stop - Sinais Do Possível

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, março 14, 2013 2 Carinhos de Luxo

Hoje , pudesse eu escrever,
cortando os espaços
como quem estripa as vírgulas,
ou ter o corpo vazado pelo sinal d´exclamação ,
ah , se eu pudesse ,
como se fora um trem descarrilado ,
descoordenar as reticências
e ser a luta sem fim , à vista ,
do ponto final que impiedosamente
(frio como o gelo e fatal como o punhal)
condena à morte o se de Kipling , brutal !
há muito que queimei na selva
o poema do rei dela
elogio fracassado de tudo o que é impossível ser
maldita elegia forjada no condicional
não , não posso mais escrever
inserindo um espaço a mais na vida
retirando um espaçamento ao sonho
dois pontos e parêntese:)
sorrindo



Luíz Sommerville Junior , 130320132231


O Descobrimento de nós dois

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, março 11, 2013 2 Carinhos de Luxo

















































Tombo ante nosso combate
Diante da saudade daquilo que sei
E também do que não provei.
És um só, mas te sabe tantos.
Poeta,  marido, arauto,
louco, depravado, escravo
e isto te faz três vezes santo...
e quanto escândalo abafado
neste nosso quarto apertado
de paredes que tudo querem saber
onde a tua respiração umedece
minha mais escondida  flor nua
e como um português desbravador
apertas minhas terras mais ao sul
com a tua insana fome de invasor
me faz todos os atos, gato e sapato!
mas no final... no nosso entrave carnal
dou-te meu golpe fatal:
teu corpo num aperto oriental
e jorras para mim todo teu ouro.

Adormecendo no meu peito
Como o mais puro índio juvenil...



Daniele Dallaveccchia, 11.03.2013


Ao Jo


Egocêntrico

Postado: Luíz Sommerville Junior On sexta-feira, março 08, 2013 3 Carinhos de Luxo


Todo o poeta
é um egoísta
quando morre
imagina todo o mundo a chorar
por ele
para ele voltar à Terra
imagina ele ,
todo o mundo lendo as suas poesias
como se ler matasse a fome de pão
como se ler salvasse os pobres de condição
ou como se escrever tornasse imortal
a videira do meu quintal
quando eu morrer
o mais que poderá acontecer
será o infinitivo do verbo
esquecer !
todo o poeta é um egoísta
queria ele que a mulher sofresse
a solidão de todos os tempos
para se consolar
e poder afirmar
a minha querida é minha
mesmo depois da vida !
quanta presunção
habita no estranho coração
do poeta
que pode ou não
ser
como se na Terra
não houvesse mais nada para fazer



Luiz Sommerville Junior


* Imagem da pintura Narciso de John William Waterhouse 


Do Sangue Que Me Corre Em Tuas Veias

Postado: Luíz Sommerville Junior On terça-feira, março 05, 2013 0 Carinhos de Luxo

Meu doce amor
fiquei tão triste , hoje e ainda ...
será que o papel e tinta
que me ensinaram
serem a essência de tudo o que é vida
- acredita-se que Deus escrevia
antes de criar o mundo-
ditaram a sentença
que (me) matou a palavra desenhada?
e palavras são águas caligráficas
que a boca aprende , trémula e sequiosamente ,
a sorver no mais sagrado rio :
- o leite materno !
e palavras são ventos , ar ! ,
que os ouvidos aprendem a escutar
no mais belo espaço :
- o lar !
porém , minha única ,
cada letra que digito
estremece-me , quase até rebentar ,
como um terramoto
esventrando a terra ,
e , ó amor , não é a terra
é o meu corpo
(este meu corpo que me falta)
porque é teu
porque vive , ó sombra ! ,
abraçando desesperadamente
o mais pequenino sinal
da tua presença , ó sol !

(talvez apenas o delírio seja real...)

Entretanto ausente de entre
e vazio de tanto
fiquei tão triste , hoje e ainda ...
porque ....
tenho papel , tenho tinta
mas não sei escrever(te)
as lágrimas felizes que viajam neste dia
nem as ideias banhadas pela sagração da tua imagem
muito menos o sorriso do caminho
em que tu és eterno jardim de estrelas
(acredita-se que as flores são Deus
labutando com os astros pelo equilíbrio do universo)
alongo-me , minha querida ,
nesta estrada vertical
que por vezes vira retrato
quebrado no chão duma casa em ruínas
e deste amor que de tão profundo e imenso
reduz todo e qualquer infinito
ao infinitamente pequeno
que foi que a minha (in)capacidade
de soletrar verbos carinhosos , num ápice e antítese ,
(não)te transmitiu ?
talvez ...
do leite e do materno
do ar e do lar os seus ventos
eu nada tenha aprendido...

se calhar nenhum de nós nasceu para aprender ...
se calhar ... nascemos , somente , para nos encontrarmos
e ...
não é isto muito mais do que o bastante ? ...




À Dani





 

Teu



Luiz Sommerville Junior , 050320130756


Destempero do Ser

Postado: Daniele Dallavecchia On sábado, março 02, 2013 0 Carinhos de Luxo



A noite desce encobrindo a rua
atormentando viúvas, sem dó
e em cada rosto molhado de tristeza
há um ser que não sabe como ser só.
Trafego pela rua solitária e sombria,
talvez pereça naquela esquina
suspirando toda nostalgia
de cada rosto triste, em agonia!
Os cães ladram sua canção noturna
e uma lágrima me corrói o sossego,
é demasiado o desespero
que pesa o dia e carrega a noite,
em cada olhar um ai de saudade
pelo que se foi e pelo que não há mais de vir,
quanto mal há em todo esse desterro!
Uma data, um rosto, um nome, uma palavra
dita, não dita, mal dita
sempre há injustiça no não saber
do momento finito, derradeiro
em que o adeus chega como um tapa
vento forte, implacável... e tão traiçoeiro.



Daniele Dallavecchia




Falha Sensorial

Postado: Luiz Sommerville Junior On terça-feira, fevereiro 19, 2013 3 Carinhos de Luxo






andam
pela terra em mãos
d´azuis sem céu
bebem, comem,gozam
e dormem
em corpos de carne
sem alma
parece que também falam
prosas corroídas disparadas para o vácuo
não ouvem ninguém
escutar é demasiado
para tão ilustres cérebros
de ouvidos desconectados dos tímpanos
têm antenas ligadas a um só canal
o ego do poder e o poder do ego
sem exclamações - nossas !
e com todas as admirações - deles !
dos seus grandiosos feitos
que de tão pequeninos e insensíveis
são a desgraça em fila de espera
- sopa dos pobres ! -
e morte abrupta , antecipada
de tantas vidas
que ainda não viveram
mas eles persistem no querer
auditórios cheios
para as suas surdas e mudas retóricas
tempo em que é urgente ver
alargar a visão
mas eles, que vêem tudo,
trocaram os olhos
por estranha e mui moderna telepatia ,
comunicam-se pela via da insensibilidade
será que não possuem o cheiro ?
do tacto já muitos sabem
que o cambiaram por tudo o que é imóvel
e do resto ...
e do que resta ...
falta o que faz mais falta ...



Luiz Sommerville Junior , 190220121216


Estar no alto é ser na Terra

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, fevereiro 18, 2013 1 Carinhos de Luxo



Sentir no ar um suspiro teu por mim
saber dos pensamentos que te habitam
adormecer nos cuidados do teu abraço
e despertar nos lábios que me dizem sim
é subir ao paraíso
...
chegados lá, estar no alto é ser na Terra,
o que mais nos fortalece
é a alma do nosso amor
que por em tudo ser flor e fruto
vence!
quando, no lugar e no tempo,
que desdonhosos apostaram em juras
de fé matreira alicerçada na inveja
em plágio selvagem de Camões:
"Que a fortuna não deixa durar muito"
e talvez riam, ou talvez chorem
e eu, contigo, no entretanto,
que é a vida inteira
te amo, ó adorada companheira!

Daniele Dallavecchia e Jorge Dallavecchia