Távola De Estrelas: Janeiro 2013

Távola De Estrelas

Poesia Do Céu Da Boca

* Sempre DS*SD erpmeS *

Távola De Estrelas, Poesia Do Céu Da Boca, Para Mastigar Devagarinho, Deve Ser Servida À Noite E Acompanhada Dum Bom Vinho Tinto...

O Delírio Dos Poetas

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, janeiro 24, 2013 1 Carinhos de Luxo



Havia
um poeta
que ñão era
poeta
era a sombra
da sua caneta
pena
tinta nanquim
manchando o papel , a preto !
golpeando a carne , das árvores !
com seus devaneios , existenciais !
rios caligráficos , das feridas !
inseridas nas páginas , cadernos !
aflitos por uma suturação , poética !
mas ...
o poeta
que não era
poeta
escrevia para matar , a morte !
acendia estrelas no fundo , do mar !
apagava águas no cume , da luz !
depois ...
depois queimava , a lágrima !
com a emoção , peregrina !
e saía , para a rua ...
com a alma gelada , de nua !
por fim ...
deitava-se sobre o jardim , curvado !
prestes a cair , em cima !
do outro lado do mundo ...



Luíz Sommerville Junior , 160920100217


Os Astros Na Alcinha Do Teu Vestido

Postado: Luíz Sommerville Junior On terça-feira, janeiro 15, 2013 1 Carinhos de Luxo






Amo-te
nas palavras que eu não sei ...
mas talvez um violão dedilhado
diga muito mais
sobre a tua inconfundível beleza
do que a minha boca calada ou ...
arrojada no modo de cantar o teu nome
Amo-te
nos gestos que eu não sei
mas talvez um fio de ouro ao pescoço
beijado pela água que soa como o canto
que faz dançar as alcinhas do teu vestido
até me cegar de contemplação ! )
por todos os poros(teus)que de mim são a razão
diga muito mais
sobre a luminosidade
do teu rosto banhado de brilhos diamantinos
do que os meus actos largos ou estreitos ...
Amo-te
nas perguntas e respostas que eu não sei
Amo-te
mas talvez uma salva de palmas
diga muito mais
sobre a perfeição linguística do teu enunciado
do que os parágrafos e pontuações desalinhadas
em que tantas vezes me perco para tu me achares
bondosamente ...

Amo-te
nas palavras que eu não sei ...
qual vela acesa no jardim
jorrando beijos ferventes sobre a relva ...
criando um patamar feito de grãos da iluminária
mas talvez a minha boca buscando a tua
diga muito mais sobre as estrelas que te reverenciam
do que as minhas mãos escrevendo devaneios ...
ou os olhos virados para o sol , fonte ! ,
da vida que eu achei quando passei a dizer(te)
amo-te




Luíz Sommerville Junior , 150320131431

À Minha Dani

Teu Jo


Beijo Divino

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, janeiro 10, 2013 3 Carinhos de Luxo


                                Esta noite , meu amor ,
                                morri ...
                                mas antes leguei-te uma mensagem :
                                - escrevo-te estas palavras
                                para que sintas os momentos finais
                                do meu corpo ainda ardente ...


                                E as letras que aqui te deixo
                                tremidas !
                                ficarão guardadas
                                nos teus olhos , ó minha querida !
                                neles habita a mais bela biblioteca
                                neles vinga a verdadeira semântica
                                é neles que guardas
                                a redacção da nossa vida
                                quando os olhos se fecham
                                todas as palavras choram
                                no mar ...
                                onde todos os rios congelam
                                e os búzios ... enxutos ! aflitos
                                em agonia ! ... ainda murmuram
                                a conjugação imperativa
                                Amem ! Amem ! ...

                                Esta manhã , ó meu amor ...
                                enquanto eu dormia
                                a deusa Íris beijou-me a testa
                                subitamente , eu abri os olhos !
                                como se fora milagre ...




                         

                                Luiz Sommerville Junior , 100120121710
                               In Só Para Os Irremediavelmente Tristes


                                Créditos : Imagem - óleo Morpheus and Íris de Pierre Narcisse Guérin


Livro Poderoso

Postado: Luíz Sommerville Junior On segunda-feira, janeiro 07, 2013 1 Carinhos de Luxo


És tu , meu doce amor ,
nas roupas que apenas em ti 
são trajes d´estrelas 
que fazem a luz nascer
no meu olhar encantado
por te ver
nasci feliz , por saber que algures ,
num ponto do universo
vivia o ser 
que um dia seria a assinatura
com a qual eu aprenderia
a nova etapa da caligrafia
unindo nomes de quereres recíprocos
escrevendo livros em gesto irmão
livros que de tão diferentes
na igualdade da carne ,
ou páginas que nos recebem ,
tão iguais de semelhantes ,
ou folhas que se completam ,
na forma-alma do título
ao qual se entregam 

Mas ... 
na minha eterna e incansável busca
- ó , quantas vezes em estradas desatinadas ! -
pelo ser que eu conhecia , desde o dia
em que eu nasci , tardava a hora de achar
a fotografia que eu noutra vida (per)segui ! 
porque nestes dois tempos de nós ,
o primeiro :
 - berço materno até ao momento
em que as asas beijaram o chão ;
o segundo :
que no abraço chegou , colo terno ,
música da tua respiração
no porto onde atracaste
o ar que atravessaste doou-me as mãos
tuas !

Foi longa e penosa , minha amada ,
a jornada ...
o traçado da tua luz
que tando tardava na chegada
e o medo de perder o norte
que desde sempre me orientava
enveredou os meus pés
em tantos caminhos 
que a minha intuição não desejava
porém , hoje , ó carícia abencoada !
que me és do mundo
o encontro com a verdadeira estrada
aquela sobre a qual
o meu ideal , guia , roteiro !
jamais perdeu de vista 
uno as minhas mãos
em solene expressão
e abro o livro que colocaste
à nossa cabeceira ...

Leio-te , senhora minha ,
enquanto adormeço aconchegado
pela tua renda gravada nas minhas veias
e num aceno d´adoração , (pr)enuncio -te:
trinta e três vírgula três !
"entoando-Lhe novo cântico
tangendo com arte e com júbilo"...
porque Ele no primeiro dia
segredou-me :
- os meus profetas guiar-te-ão
até ao templo sagrado que se ergueu
para nele te entregares ao altar
em louvor , 
e nele consagrares o amor.
Cuida dela, a palavra,
preserva dela o rosto
da metáfora ou parábola
que te interroga :
quantas vezes olhastes hoje
para a voz que , dando-te o mundo todo ,
impregnou os vossos aposentos
com mil e uma imagens de carinho ?
encontrar-Me-ás nas tuas respostas ...

Abro a caixinha da minha tranquilidade ,
abraço-te , ó meio em que Elise estremece !
ó tesouro da minha salvação ! 
dormindo ... 
em ressurreição ...



Com todo o meu amor , à minha mulher Dani.


Luiz Sommerville Júnior , 090920111729 - O Triunfo Do Amor


Livro poderoso=nossa bíblia sagrada 


Noite De Reis ... Ou Aquele Que (Não) Sobra

Postado: Luíz Sommerville Junior On domingo, janeiro 06, 2013 1 Carinhos de Luxo



Um , dois , três
Reis
ouro , incenso e mirra
seis
fome
sede
e frio
nove(s)
- aquele que morre -
fora nada
zero ...



Luíz Sommerville Junior , 050120132304


O Poeta que me procurava

Postado: Daniele Dallavecchia On quinta-feira, janeiro 03, 2013 3 Carinhos de Luxo


São versos bucólicos
os olhos meus que te vêem
assim tão belo,ó meu fulgor!
suspirando poesia,
anoitecendo a nostalgia
fascinando de amor
o nascer do meu dia....
São sim, os versos teus
meu poeta, meu senhor
que me fazem voltar ao tempo
viver cada momento
da nossa história,
de todo o nosso sentimento.
Tanto, tanto
que eu li as tuas linhas
ora vivas e cheias de esplendor,
ora tristes, morrendo de amor...
E eu não sabia
que era por mim
que a tua lágrima tombava
Não, eu não sabia
porque andava tonta e perdida
nebulosa de dúvidas,
masmorra trancada de mim
sem saber que o amor que eu tinha
também me tinha
triste e só do outro lado da linha.


(A tua chave não sabia que eu era a fechadura
perdida e só, esperança muda e crua na poeira
enferrujada do coração...mas um dia...
a chave abriu o tão sonhado amor: nosso amor!)


Daniele Dallavecchia, 02012013

Ao meu Poeta
marido duma vida inteira e para sempre.