Távola De Estrelas: Dezembro 2013

Távola De Estrelas

Poesia Do Céu Da Boca

* Sempre DS*SD erpmeS *

Távola De Estrelas, Poesia Do Céu Da Boca, Para Mastigar Devagarinho, Deve Ser Servida À Noite E Acompanhada Dum Bom Vinho Tinto...

V - A Consoante Do Teu Verso *

Postado: Luíz Sommerville Junior On sábado, dezembro 28, 2013 1 Carinhos de Luxo





Meu amor ,
o teu vau d´estrelas
é carne de luz
que o sol insere no teu corpo
acendendo nas minhas veias
uma chuva de cometas
então ...
a respiração inquieta
estreita a nossa alma
num laço. - pulsante !
entretanto
a transpiração brilha no silêncio ...



Luíz Sommerville Junior , Eu Canto O Poema Mudo , 281220131714


À Dani com Amor

Teu , Jo


* Letra v ou vau


Ceia Cósmica

Postado: Luíz Sommerville Junior On quinta-feira, dezembro 26, 2013 0 Carinhos de Luxo



Na mesa ...

o linho do firmamento

nas taças 

o vinho da Lua

E nos pratos

o alimento das estrelas


- Eis a nossa Ceia !









(Re-editado)


Luíz Sommerville Junior , Natal de 2008



Festas Felizes
Ano Bom 2014


Dois Homens e Três Mulheres

Postado: Luíz Sommerville Junior On sábado, dezembro 21, 2013 0 Carinhos de Luxo



Jesus:



Hoje

as páginas do teu livro

que são espadas esventrando a palavra , sagrada !

adaga de Herodes espetada na tiara diamantina

que meu Pai te ergueu de mão aberta , ó irmão !

que me condenas , que mal te fiz que de ti

tanto te quis , tanto te quero , não escutas , o povo !

que não é interrogação , é  clamor , ó tenor , condenação !

não me atires aos olhos  Barrabás , ceguei !

que cega é a voz que são vozes , que te esperam !

vá , não hesites , imploro-te , o golpe final , misericórdia !

não os ouves exigindo do teu coração ?

implorando-te o meu na tua mão ? 


(“Está consumado.”)


Pilatos:



Porque exiges de mim o que não quero dar-te ?

Porque no minuto deste dia

me pedes a noite dos dias do fim ?

e de ti, apenas peço uma palavra

que é sim , sim eu sou , que és tu !

dá-me querido , dá-me ó ser amado , a tua , voz !

num grito , numa canção , num murmúrio, num soluço , salvação !

ah ! esse teu silêncio que me mata ao invés do poder , que é meu !

és tu de judeu, o rei ?

ai que boca condenada pelos carrus d´ atropelo , a minha !

que da tua ainda nada ouvi que não seja humilde , condição !

se fosses a minha mulher coroava-te ao centro , império !

ó sangue da minha cor , amor !

mas não vês que não o posso fazer ?

sim , uma palavra , apenas uma palavra e tudo te darei , liberdade !

ah , querido irmão , finalmente reconheceste-te , rei ? !

olha bem para mim , vê como eu sou o que chegou para te levar

sem mim o que serias tu,quem serias afinal que és , aos meus pés ?

está certo, serenemos as multidões , descansemos os corações ...

coloquemos um fim a tão triste e sangrenta hora , agora !

Sim, podeis, levá-lo !

Sim, podeis levá-lo...

("lavo as minhas mãos...")


Sim, podeis levar-me ...

Maria:


... que a minha vida ,  morreu ! morreu...

Prócula:



... que o sonho meu , morreu ! morreu ...


Madalena:


... que o sonho que é vida floresce

ao inverso do corpo que desfalece ! desfalece ...





Luiz Sommerville , 191220101629 - (c) Távola De Estrelas 

Desejamos a todos amigos, leitores e quem é por Bem um Natal Muito Feliz.