Távola De Estrelas: Tempestade - Reeditado

Távola De Estrelas

Poesia Do Céu Da Boca

* Sempre DS*SD erpmeS *

Távola De Estrelas, Poesia Do Céu Da Boca, Para Mastigar Devagarinho, Deve Ser Servida À Noite E Acompanhada Dum Bom Vinho Tinto...

Tempestade - Reeditado

Postado: Luíz Sommerville Junior On sexta-feira, fevereiro 28, 2014 0 Carinhos de Luxo




Jamais poderei ser
O vento que movimenta a barca
Jamais poderei ser o mar
Em estradas d´água
Que foram a invenção de novos mundos
Jamais poderei ser o timoneiro
Que governa a canção dos marinheiros
até ao destino
Que é o fim
De tudo o que começa
E se vai embora
Jamais poderei ser como Magalhães
- seguir em linha recta!
Para regressar
A este (mesmo) lugar
Com uma nau desfeita
E suas velas e bandeira
irreconhecíveis , de dilaceradas
À deriva



Escrito ontem 270220142301
Reeditado hoje 280220141601


 Luíz Sommerville Junior , Eu Canto o Poema Mudo

0 Response for the "Tempestade - Reeditado"

Postar um comentário

Beijinhos