Távola De Estrelas

Távola De Estrelas

Poesia Do Céu Da Boca

* Sempre DS*SD erpmeS *

Távola De Estrelas, Poesia Do Céu Da Boca, Para Mastigar Devagarinho, Deve Ser Servida À Noite E Acompanhada Dum Bom Vinho Tinto...

cansaço

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, junho 06, 2017 0 Carinhos de Luxo




As vezes a noite me assombra em pleno dia
e dentro da minha alma um choro, um grito
fechada em mim, respirando toda essa agonia
que fiz da minha vida, será que ainda vivo?

Meu corpo treme como quem vai rebentar,
explodir em mil pedacinhos de tanta tristeza
tentando libertar quem em mim está presa
meu espírito acorrentado só quer voar, voar

Vejo tudo o que conquistei; não sou ninguém!
dias vazios, noites frias, sinto-me doente
se ao menos pudesse encontrar-te para além
das tuas palavras aflitas, tão indolente!

Tenho sido o oposto dos meus desejos todos
excessivamente reta, moralmente quieta
controlada pela corte sombria dos loucos
esperando os dias anunciados pelo profeta






Lua

Postado: Daniele Dallavecchia On sábado, maio 13, 2017 0 Carinhos de Luxo

Resultado de imagem para luar

É noite de lua cheia
meu amor
há uma volúpia vontade
de te encontrar
da saudade que tenho
dos teus beijos
que nunca recebi
do teu abraço
do teu corpo
dos teus olhos
tão parecidos com os meus
É noite de lua cheia
querido
e vou dormir
com o pensamento em você
com a esperança
de te ter
de novo e outra vez
no mundo que criei
onde dançamos 
Nina Simone
sem relógio, sem pensar
sem penar...
é noite de lua
meu amor


De que é feito teu coração?

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, maio 09, 2017 0 Carinhos de Luxo


Resultado de imagem para bright of stars movie


Tem dias
que a chuva se faz paisagem
reflectida em mim
tempo que não quer passar

Tem dias
assim
em que só a lembrança
do teu rosto,
minha alma,
é capaz de aliviar

Tem dias
de tempestades
no meu coração
e só a esperança
do teu sol
fazem meu sorriso raiar

Mas também tem dias
em que não sei
o que é real
da imaginação
(serei eu no teu peito?)
dias esses em que sorrio
e também choro
e faz-se noite
dentro de mim
porque não consigo desvendar
por quem teus olhos
sempre estiveram a brilhar