Távola De Estrelas: Maio 2011

Távola De Estrelas

Poesia Do Céu Da Boca

* Sempre DS*SD erpmeS *

Távola De Estrelas, Poesia Do Céu Da Boca, Para Mastigar Devagarinho, Deve Ser Servida À Noite E Acompanhada Dum Bom Vinho Tinto...

Délivrez-nous du mal

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, maio 30, 2011 3 Carinhos de Luxo


Mórbida criatura dum passado
já sepultado, para além de mim,
busca desenterrar um pecado
nunca existente, para criar motim.

Fora, irmã insana, do sagrado
solo venerado do meu jardim,
tudo que por Deus foi-me dado
queres, por inveja, dar-lhe um fim. 

Basta! Serpente doutras histórias,
é chegada a hora da justiça agir,
aos anjos celestiais denuncio-te

Tuas maldades são provisórias,
pela porta que entraste irás sair,
nas mãos do Pai Maior entrego-te.


Solo d'amore

Postado: Daniele Dallavecchia On domingo, maio 29, 2011 2 Carinhos de Luxo



Se eu pudesse reunir,
num só poema,
todos os poros
que lavram
o caminho-carinho
da tua pele a vibrar
nas mais belas palavras
d´amor,
e com elas
uma canção compor,
agraciar-te com o violino
executado pelas mãos
que no teu ombro
são melodia a me aconchegar,
para te ninar nos acordes
desta minha emoção...
e, não haveria
neste mundo inteiro,
confusão
que te tirasse o sossego 
ou sono,
porque a música
do meu coração
te revelaria
a luz branca
de paz
que é o que sinto
por você,
que é o que eu vivo
com você...
ó bendita oferenda
do mais nobre altar
que apenas tu
 - e mais ninguém ! -
és da trova 
a voz do luar ,
da serenata
que a minha varanda
trajada de gala - aplaude !

Sim , 

- bom dia , meu amor ! - 
eu posso unir
numa só poesia
todas as estrelas
e com elas caligrafar
o arco-íris
no céu do teu olhar
por...
você!





Sommerville&Dallavecchia


Roteiro

Postado: Luiz Sommerville Junior On sexta-feira, maio 27, 2011 2 Carinhos de Luxo



























Hoje, minha amada
quero falar-te d´amor
não sei qual a dor
do peixe
apanhado subitamente
pelo anzol
mas sei que asfixia
estrangula o coração
como o fogo da inquisição
sei que o mundo é redondo
mesmo que seja quadrado
que importa se insistem
que a rotação das horas
é um plano inclinado
se eu sinto o teu sangue
nas minhas veias a circular
em pulsações
de todas as direcções?
Todos os teus ais
de tristeza ou d´alegria
são sais
do meu banho profundo!
e não quero outros!
conheço-te
neste conhecer
que é saber
o quanto eu te amo
neste amar-te
que é sentir
o quanto eu te adoro
Sabes, minha querida,
escrevo-te às avessas da poesia
escrevo-te o devaneio
em jeito de carta
talvez porque
nunca fui poeta
e encontrei em ti
a autora
da minha razão de ser
finalmente
porque careço imenso
do beijo teu
por que
minha boca
adora desenhar na tua
luas pintadas
de cor-de-rosa
quase vermelho
vermelho mais que rosado
olho-te!...
e vejo-te
em todos
os meus pensamentos
em todos os pontos cruciais
da rosa-dos-ventos

Minha amada, não sei
se te falei d´amor
mas sei
que vá eu para onde for
te levo comigo
em sinómimo
de espero-te...
sempre!

(ah, bendita tempestade
d´astronomia
ó luz que chegas
com o pungente esplendor
da virgem
que
me
sorri...

-em flor!)

(ó donzela, donzela, com teu barquinho de flores
quero minha cor a navegar na boca do teu mar...)


Luiz Sommerville Junior, 260520112001







Dois Poemas, Dois Parênteses=Nós

Postado: Luiz Sommerville Junior On quinta-feira, maio 26, 2011 6 Carinhos de Luxo




































Hoje
se da vida me levasse
o dia
que não me ficasse
nem as lágrimas
seriam minhas
nem os gritos,
se os houvesse,
seriam d´alguém
toda a luz contém
um ponto inaudível
na escala aconselhável
dos zero decibéis
pouca coisa é música
o quase tudo
é ruído a rasgar os tímpanos
o quase nada é energia
esvaindo-se
a eternizar o silêncio...

(... onde o sujeito e o verbo em flexões do para mim , em flexões do para ti,
transitivo na fusão do ser - nós em carne ! Imperativo na urgência d´alma:
-amemos!)

Escrevo no silêncio
da nascente o verbo,
o nome e a eloquência
da nomeação
predicado do meu sujeito
teu de direito:
porque o amor
é  lei do nosso peito
justiça no nosso leito
ah, querida , em delírio
do movimento em que te abraço
murmuro
- Amo-te Dani !

(a eternizar o silêncio... por dentro ...)




A Madrugada Das Flores, Luiz Sommerville Junior, 250520110633





O Teu Sorriso

Postado: Daniele Dallavecchia On terça-feira, maio 24, 2011 2 Carinhos de Luxo



Sonhei contigo,
acordava das mil e uma canções
com que o teu amor me embalava
o silêncio da felicidade
avivava a paixão
que o teu corpo de menina
fecundava em dilatações cardíacas
na quietude da ténue madrugada

Sonhei contigo
e despertei
comigo
afinal, meu amor,
qual o lado que não é de mim?
que me faz
feito?
não estou sozinho
sou na tua noite
o dia
que sempre brilhará
vinte e quatro horas
no lado que não é meu, mas
teu !

Jorge Manuel (Luiz Sommerville Junior)





Instantâneo de Mim

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, maio 23, 2011 1 Carinhos de Luxo


Pudesse eu,
fotografar a emoção
que se faz no meu corpo,
tirar instantâneos de mim
e gravar na eternidade,
eu o faria…
Que é para provar ao tempo
o poder do teu amor
sobre a minha carne,
das tuas letras
sobre a minha face,
da tua poesia
sobre a minha vida…
que é tua,
somente tua…


Secretamente

Postado: Daniele Dallavecchia On sábado, maio 21, 2011 6 Carinhos de Luxo



Secretamente tenho sonhos maiores
do que minha boca tímida confessa,
e se não os revelo é porque amores
são feitos de caminhos sem pressa...

Minha cabeça mora noutros lugares,
estou presa a tudo que não interessa,
guardo-me no amor e todas as cores
que da minha vida, fez-me promessa.

Pouco importa, amor meu, esta dor,
se o futuro nos revela um mar verde,
relva do teu jardim que é a minha paz.

Traço o agora, já não sou só sonhador,
logo, cada poro que de ti se perde...
renascerá no futuro que hoje se faz. 


Particular II

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, maio 18, 2011 5 Carinhos de Luxo



Gosto de ver teu rosto lindo
enquanto adormeces,
ao som da minha voz
que se esforça por cantar afinado
canções pra te embalar...
meu maior encanto é ver estes
olhinhos tenros 
que se fecham,
num sonhar de jardins, 
as mãozinhas apoiando a cabeça
que tomba ao cansaço de mais um dia,
e o corpo relaxado... em paz...
Minha retina decora 
cada respirar e já não sou capaz
de fechar meus olhos e
parar de contemplar,
por um minuto que seja,
a visão desta ternura:
TE VER ADORMECER!


Nascer do Sol no Teu Corpo

Postado: Daniele Dallavecchia On sábado, maio 14, 2011 3 Carinhos de Luxo


Neste apreciar cor mármore do teu corpo,
vejo o sol refletir tua luz na minha visão,
descanso natural, na paz da manhã, porto
seguro, ancorando o dia na tua perfeição.

Peito cândido e macio, meu céu desporto,
bombeando desejos, insuflando emoção,
deixando-me neste mar de beijos-absorto
a contemplar o nú da tua beleza, adoração!

Rosto desenhado por inspirado escultor,
paciência no modelar da tua rara geografia
pintando teus sinais, morada da minha mão...

obra-prima, fixa na minha retina, esplendor!
suspiro da mais doce paixão, minha magia,
ponta do meu arco-íris, meu dia de verão!





Fora!

Postado: Daniele Dallavecchia On sexta-feira, maio 13, 2011 0 Carinhos de Luxo



Vai-te
 daqui
ó cegueira que não te vês!
abre os olhos
por aí ...
e fica-te
no vazio
ou no cheio
mas longe
do meu meio !


Meu Mundo por Você

Postado: Daniele Dallavecchia On quinta-feira, maio 12, 2011 3 Carinhos de Luxo


Se a vida
fosse apenas o resultado
das quatro estações que
giram em torno de mim
eu não seria a sonhadora,
que nunca cansa,
dorme ou desiste do sim.
Não sei dar sossego
a Deus ou seus anjos,
ao sol e a lua,
sou minha própria tempestade,
quando quero a verdade,
nada pára meu desejo
de ter tudo que a vida possa dar,
no céu e na terra,
para poder te entregar...
saio pra guerra,
enfrento bravio mar,
não importa a dor,
se no final,
eu puder te dar
a mais bela flor...


Ponto de vista

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, maio 09, 2011 9 Carinhos de Luxo


Nau atormentada e sem rumo neste mar
fora de mim, trazendo ondas pequenas
que nada abalam este nosso doce amar,
são temperos que nos dão união, apenas.

A arte de ser feliz, sem outros atormentar,
abster-se de egoísmos, dores e penas...
cabe aos que aprenderam a vida enxergar
com olhos em cores d'ternas açucenas...

Ainda que me queiram mau os que nada
sabem desta minha força ou o que sou,
Oro a Deus lhes dê nobreza e coragem.

A tristeza pode ser o buraco que nos cava,
quando não aceitamos aquilo que passou.
Boicotar a si próprio é estar de passagem...


(No fundo, o meu mais sincero desejo é que cada qual encontre o seu caminho e seja feliz!)


Teu nome na minha boca

Postado: Daniele Dallavecchia On sexta-feira, maio 06, 2011 5 Carinhos de Luxo


Meu amor, meu eterno,
reler as tuas cartas de amor,
é como pegar a ponta duma estrela
e passear pelo céu, beijar o divino,
ir a lua e dançar na ponta dos pés,
sob o acorde do teu verso-violino...
Meu poeta, meu eterno menino,
sou a bailarina que dança enfeitiçada
ao som celestial da tua poesia...
Só você me faz cor, me faz imagem,
me transforma em conteúdo e arte!
Perdoa a minha agonia, minha pressa,
este não aceitar ser a parte
que te falta nesta cama em promessa.
Sim, sou exagerada, talvez desesperada
por querer te fazer feliz, por querer te dar
a mesma felicidade que você me deu
no dia em que descobri
que na tua doce loucura
mora a minha razão...





Um dia escrevi em uma carta:


(...)Minha boca já não me obedece e pegou a mania de pronunciar e repetir teu nome muitas vezes ao dia. Já me perguntaram por aqui (em casa) o que significa Sommer, se acaso era verão em inglês, eu disse que em inglês verão era summer, mas que Sommer significava as quatro estações e também o sol, a chuva, a brisa, a ventania, o calor da manhã, todas as horas do dia, todos os dias do ano! Significa saudade, saudade de um alguém que eu nem conhecia, mas que está comigo o tempo todo. Significa a intensidade, o primeiro pensamento de manhã, o último ao anoitecer...Ah! "Sommer" agora significa um mundo de coisas maravilhosas pra mim...(...).

Te amo, mon bébé!






Adágio de Mim

Postado: Daniele Dallavecchia On quinta-feira, maio 05, 2011 1 Carinhos de Luxo






































Queria um lugar que me poupasse
dias tristes, paredes frias, solidão,
queria uma boca que me contasse
um futuro longe desta minha prisão,

Queria que a vida logo passasse
para o estágio em que tudo é são,
talvez assim eu me abandonasse
desta lógica infeliz e sem razão...

Não sinto o sabor da minha idade,
nem pairo minha calma no presente,
atravesso o tempo, moro no futuro,

onde, enfim, vislumbro a felicidade,
longe desta minha vida tão indiferente...
Hoje ainda não sou, apenas aturo...


Impulso...

Postado: Daniele Dallavecchia On quarta-feira, maio 04, 2011 3 Carinhos de Luxo

Como um dia de verão,
você vem e me sufoca
de saudade, 
faz minha cabeça
me rouba toda a liberdade
de pensar em outra coisa,
que não seja você...
O teu desejo é o controle,
nada remoto,
que me domina,
alucina...
quase sem querer...
E eu já não digo nada,
já não posso nada,
sou toda emoção...
estou na tua mão...
Esses teus beijos sem fim,
teu jeito de me dominar,
ah, eu não consigo,
não consigo
não sei me desvencilhar...
Meu impulsivo amor,
meu senhor,
me leva com você,
aonde você for,
deixemos os dilemas 
de lado,
as dores, 
no passado,
sejamos, meu doce menino,
um par de letras
eternamente 
apaixonados!



Acústica

Postado: Luiz Sommerville Junior On terça-feira, maio 03, 2011 4 Carinhos de Luxo

Infinda é a tua ternura
nessa voz de flauta onde flutua a água da fonte
pura , de envolvente candura
e eu que ainda não escrevi - o poema ! -
para a tiara do teu fonema.
falta-me toda uma vida , - para o espraiar ! -
que me aquecem todos os tambores
nas mãos de tão doces sabores
ó rasgão do meu sangue escorrendo - na audição !
membrana estremecida que teu som
na minha pulsação em ondulação 
se transforma no único tema-coração
canção que em mim desperta a vibração
- ó pérola que és a púrpura da minha bandeira ! -
ai daquele que toque a face da  tua glória !
ai daquele que assombre o rosto singular deste querer-bem !
não te inquietes , ó amada !
por que tu és ; tu tudo tens
e aquele que de ti não sabe
nada tem !


Luiz Sommerville Junior , A Madrugada Das Flores , 070420111759


Com mil beijos para ti , minha amada Dan


Pedra

Postado: Daniele Dallavecchia On segunda-feira, maio 02, 2011 4 Carinhos de Luxo


Talvez a paz um dia chegue,
em forma de céu ou de morte,
mas quem saberá?...
Ou talvez um dia eu acorde
e aprenda de uma vez a sonhar...
será?...
As paredes cinzas deste dia,
me espreitam, cegam a vida
e eu não sei ser meio termo...
e escorrem de mim
estas poeiras de rebeldia,
tornando-me escorregadia,
dos tiros que me vem a ermo...

Saiam de mim ruínas
e destemperos,
alianças rompidas,
noites mal dormidas,
gente esquecida...
deixem-me seguir...
sem desespero

o meu caminho...

e talvez eu te encontre
mais sossegado
pra me amparar...
ou quem sabe, talvez,
você queira me parar
duma vez...

Enquanto isso vou tentando
enxergar o mais bonito
com lágrimas nos olhos,
sorrir pra tentar parar
essa dor que não quer disfarçar...

E como evitar?

O verdadeiro sábio antevê cada
ação,
antes que ela necessite
reação...

Reação embutida, cansada,
dispersa...
tão longe de mim...


Mudança de Estação

Postado: Luíz Sommerville Junior On segunda-feira, maio 02, 2011 0 Carinhos de Luxo

Fez-se inverno no meu peito,
fora de hora, sem aviso nem jeito,
despedaçando as flores do meu jardim,
nada restou... pobre de mim!

Tempestade em desalento,
arrastando o pouco que sobrou,
já não sou pessoa, sou lamento,
aquela que teu amor nunca alcançou...

Mas a semente há de germinar,
um dia, quando o verão trouxer,
a alegria, e quem sabe eu possa encontrar
o amor que me couber...

Daniele Dallavecchia


1º De Maio - Pela memória dos nossos apelidos

Postado: Luiz Sommerville Junior On domingo, maio 01, 2011 0 Carinhos de Luxo



ainda ontem
fomos as carruagens
dos comboio lotados de sonhos
que na pista accionavam multidões
o trem
sumiu...
as viagens
nas trilhas sem fim
dos nossos olhares
essas
não cessam
d´alastrar
no destino comum
dos nossos neurónios
mas
as serenatas nos lençóis abandonados
-o odor escarlate de violões , envelhecidos !-
silenciados ao mofo aprisionados , ninguém ...
... as ensaiava ...
lá onde a sereia morreu apaixonada
pelo capitão que trajava na lapela
um lenço bordado de lábios , cravados !
pelo batom que reflete a imortalidade
há quem lhe chame arma
há quem lhe chame flor d´abril
- é apenas a carne rasgada da traição
que ainda insiste em repetir o bordão
ou refrão duma só palavra
- revolução !
e ...
ainda é tempo
d´abrir os livros que são entradas
ainda é momento
de fechar aquelas bocas que jamais aprenderão
a beijar !
sim , vou rasgar o meu voto
à entrada da urna que sentencia o nosso funeral
sim , vou teimar no sonho na portada
do ventre que grita ensaguentado
pela luz - dia !
por que ...
os abandonados sem leito são hinos , rejuvenescidos !
onde o tudo o que é caduco morre para que soe a balada
abraçada ao perfume que da vida é libertada , alguém ...
a encarnará , aqui ... onde uma noiva se entrega ao castelo
d´útero aberto à formação daquele que da pátria faz a nação
e acena à boca amada com o lenço de gala
manchado com o lindo arabesco que das núpcias verteu
afinal , ontem , num lar dilacerado pelo divórcio , foi abril ...
e hoje numa terra engalanada pela boda da esperança
é maio ...
daquela menina que dá as mãos ao menino ,
sim , são pequeninos , são crianças
os olhos maravilhados que entregam aos noivos as alianças
e ela sorri e imortaliza-se no ouvido dele :
- sou tua ! sou a tua terra , e tu
estás disposto a ser o meu país ?





Luiz Sommerville Junior , 010520110741